Volta Redonda terá mutirão contra Aedes aegypti

O bairro Eucaliptal recebe nesta terça-feira, dia 7, um mutirão contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Uma equipe composta por profissionais da Secretaria de Saúde de Volta Redonda, formada por agentes de endemias da Vigilância Ambiental e agentes comunitários de saúde, da Atenção Básica, vai atuar no local, durante três dias, fazendo visitas domiciliares. A ação começa 8h com concentração na Unidade Básica de Saúde do Eucaliptal.

O mutirão vai mobilizar os moradores do bairro no combate aos criadouros do mosquito. O papel dos agentes é vistoriar os domicílios para identificar possíveis criadouros e orientar os moradores para os riscos dentro de casa. Qualquer material que possa acumular água deve ser eliminado ou tampado para evitar a proliferação do Aedes aegypti.

A coordenadora da Vigilância Ambiental, Janaína Soledad, informa que o bairro Eucaliptal tem 3,5 mil domicílios e o objetivo é vistoriar 90% residências nesses três dias de ação. “Contamos com a ajuda dos moradores do bairro para que, junto com a doença nossa equipe, possamos ampliar o alcance da ação. A participação da comunidade é fundamental para o êxito no trabalho de combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya”, explicou Janaína.

Janaína ressalta que os moradores devem ouvir as orientações dos agentes e vistoriar os imóveis uma vez por semana para identificarem possíveis focos do mosquito, pois o ciclo de vida do Aedes se completa em um intervalo de 7 a 10 dias.

As ações de prevenção à proliferação do Aedes aegypti e orientação da população são realizadas durante todo ano. O trabalho dos agentes de endemias é intensificado entre os meses de outubro e março. “A chegada do período chuvoso e do calor facilita a reprodução do mosquito e, consequentemente, há maior disseminação das arboviroses como a dengue, zika e chikungunya”, explicou a coordenadora da Vigilância Ambiental.

LIRAa

De acordo com o LIRAa (Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti), realizado no final de outubro, Volta Redonda apresentou índice de 2% de infestação do mosquito, colocando o município como área de “médio risco” para as doenças transmitidas pelo mosquito.
Mais de 90% dos criadouros identificados foram encontrados dentro de casa. Entre os principais locais estão os depósitos móveis (pratos de plantas, bebedouro de animais) com um índice de 46,6%; logo em seguida vem os lixos (latas, sucatas e entulhos) com 18,3%; pneus com 11,9%; depósito de água ao nível do solo (latão, tonéis) com 8,7%; depósitos fixos (calhas, piscinas, ralos) com 8,7% e depósitos naturais (bromélias, buracos em árvores) com 5,6%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *