Após denúncias, Volta Redonda interdita nove estabelecimentos

A Prefeitura de Volta Redonda, através da Força-Tarefa que atua para garantir o cumprimento de medidas de combate a Covid-19, informou nesta quarta-feira, dia 16, a interdição, até o próximo dia 26, de nove estabelecimentos comerciais. Os bares foram os que mais registraram denúncias na Central de Atendimento Único (CAU) e reiteradamente descumpriram as normas de combate ao coronavírus. A maioria das reclamações foi por aglomerações.

As interdições foram feitas pelo Departamento de Atividades Econômicas e Sociais. Os bares são: Black Jack, Moods Ginkeria, Auê Bar, Galpão 546, República Bar, Esquina Grill, Master Chopp e Infinity Louge, além do Clube Umuarama.

Segundo o secretário municipal de Fazenda, Fabiano Vieira, a interdição está baseada no artigo 19 do Código Administrativo Municipal. “Esses foram os estabelecimentos que mais tiveram reclamações. E, após uma apuração e diante das novas medidas de combate a Covid-19, decidimos pela interdição temporária. Nosso objetivo é salvar vidas. Não podemos permitir que ocorra mais uma onda de contaminação”, disse Fabiano.

Visando evitar uma segunda onda da Covid-19, o prefeito Samuca Silva, após reunião com o Ministério Público do Estado do Rio, determinou novas medidas de combate a Covid-19.

Fica proibida a aglomeração de pessoas em áreas comuns de condomínios, prédios residenciais e similares; fica proibida a comercialização de bebida alcoólica após 22h; fica determinada a proibição de consumo e comércio de bebidas alcoólicas em vias e espaços públicos.

Como forma de diminuir a aglomeração nos estabelecimentos, que têm um aumento de público por conta do Natal, fica determinado o horário de funcionamento de todos os estabelecimentos de 08h às 22h (bares, restaurantes e similares até às 20h), de segunda-feira a domingo, limitado a 01 cliente a cada 10 m², observando os seguintes termos: uso obrigatório de máscara no interior da loja; medição de temperatura na entrada da loja; higienização de carrinhos e mãos dos clientes; álcool 70% para uso de clientes; proibição de degustações; entre outros.

“Essas medidas são necessárias para evitar um fechamento ainda maior. Infelizmente estamos vendo em outros países e cidade um fechamento ainda maior. Não podemos permitir a segunda onda. Além disso, lembro que estamos tomando as medidas necessárias para salvar vidas. Ontem (segunda-feira) assinamos um protocolo com o Instituto Butantan para a compra de 70 mil vacinas quando elas forem aprovadas pela Anvisa”, disse Samuca.

Reunião

Em nota, a Diretoria da Regional Sul Fluminense da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), em conjunto com a Diretoria do Polo Gastronômico, informou que, em reunião com o prefeito Samuca Silva e o MPRJ, houve um acordo para modificar o decreto assinado esta semana.

Com isso, ficou decidido que:

– O horário de funcionamento dos estabelecimentos de alimentação fora do lar, passa a ser até as 22 horas, a partir de hoje – 16/12.

– Fica autorizado aos estabelecimentos a terem música ao vivo até as 20 horas, a partir de hoje – 16/12.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *