Drable: “A justiça está matando o comércio de Barra Mansa”

A queda de braço entre o prefeito de Barra Mansa e a Justiça teve desdobramento na tarde passada, depois que a juíza Anna Carolinne Liscasallio da Costa estabeleceu multa diária de R$ 10 mil ao prefeito Rodrigo Drable se ele não cumprisse a determinação de fechar o comércio novamente.

Na noite passada, o prefeito recorreu ao Instagram para se dirigir à população.

Indignado, confirmou a notícia que tinha sido divulgada à tarde pela imprensa sobre o fechamento do comércio varejista a partir desta sexta-feira, dia 22. A medida se deve a uma recomendação feita pelo Ministério Público do Estado do Rio.

Rodrigo Drable escreveu, à tarde, em um aplicativo de mensagens:

“A partir desta sexta-feira fecharemos o comércio, por coação da justiça. Uma covardia contra o povo trabalhador da cidade”. À noite, em seu pronunciamento foi mais incisivo: “A Justiça está matando o comércio de Barra Mansa”.

O Ministério Público pediu o cancelamento do acordo que permitiu a reabertura do comércio em Barra Mansa desde que o governo do estado anunciou que iria administrar a disponibilidade de leitos da cidade para atender aos pacientes da Covid- 19. A prefeitura contestou, mas a juíza da 1ª Vara Cível da cidade, Anna Carolinne Liscasallio da Costa, aceitou os argumentos e determinou que o prefeito decretasse o fechamento do comércio em 48 horas.

A prefeitura recorreu no Tribunal de Justiça do Estado do Rio, mas sofreu nova derrota: a desembargadora Maria Augusta Vaz Monteiro de Figueiredo, da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, rejeitou o recurso (agravo de instrumento) apresentado pela Procuradoria Geral do Município. Na primeira instância, a juíza Anna Carolinne determinou uma multa diária de R$ 10 mil, para o prefeito, caso ele não fechasse o comércio. E agravou a situação determinando ao Ministério Público Estadual que apure “possível ato de improbidade administrativa”. Ao mesmo tempo determinou ofício à Câmara de Vereadores, noticiando “possível infração político-administrativa”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *