BARRA MANSA COBRA ELUCIDAÇÃO E JUSTIÇA POR ADOLESCENTE ASSASSINADA

BARRA MANSA COBRA ELUCIDAÇÃO E JUSTIÇA POR ADOLESCENTE ASSASSINADA – Não são apenas os parentes e amigos. A cidade de Barra Mansa aguarda a investigação da Polícia Civil sobre o assassinato ainda não esclarecido de MARIA JULIA FONSECA DE OLIVEIRA, a “MAJU”, de 16 anos, encontrada morta na noite da última quinta-feira, dentro de casa, no bairro Piteiras. Conforme o Plantão de Polícia informou na sexta-feira, na mesma noite um suspeito do crime foi ouvido, negou o crime e foi liberado por falta de provas. No entanto, foi colhido no Hospital Regional, em Volta Redonda, material para exame de DNA e de corpo de delito do suspeito, que está sob análise.   MAJU foi sepultada na tarde de sexta-feira, no Parque São Francisco, na presença de cerca de duzentas pessoas. Na tarde de sábado, dezenas de pessoas, incluindo os pais da adolescente, participaram de um ato por justiça na Praça Ponce de León, em frente à Igreja Matriz, no Centro de Barra Mansa. Muito abalados, os pais de MAJU falaram pouco. A mãe, CRISTINA FONSECA DE OLIVEIRA, e o pai, PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA, se disseram destruídos. CÉLIO FONSECA, de 53 anos, tio da adolescente, confirmou que ela foi encontrada morta pela mãe, quando CRISTINA chegou em casa. E disse que a família acredita no trabalho da polícia. EMILIENE DOS SANTOS FÉLIX, de 15 anos, era amiga de infância de MARIA JULIA. Ela é coordenadora do grupo de jovens “Despertar”, da Comunidade São João Evangelista, da Paróquia de São Sebastião, em Barra Mansa. Ela também deu um depoimento à reportagem do programa, e falou da participação do adolescente na igreja católica, que MAJU frequentava com a família. Encarregada do esclarecimento do assassinato, a delegacia de Barra Mansa não tem se pronunciado a respeito, a fim de preservar a investigação. Nenhuma hipótese está descartada, mas a suspeita de latrocínio, roubo seguido de morte, levantada no dia seguinte à morte da adolescente, é vista com reservas pelos investigadores, já que nada foi levado da casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *